Arábia Saudita estuda cancelar peregrinação à Meca pela 1ª vez na história moderna

Folha de São Paulo – A Arábia Saudita estudou a possibilidade de cancelar a integração do Hajj pela primeira vez desde a fundação do reino em 1932, depois de pagar mais de 100 mil casos de coronavírus.

A questão foi estudada para e diferentes cenários estão sendo considerados. Uma decisão oficial de tomada de decisão em uma semana, ao Financial Times, um alto funcionário do ministério rio saudita responsável pelo Hajj e pelo Umrah.

O ritual anual realizado no final de julho é um dos maiores encontros religiosos no mundo, cerca de 2 milhões de pessoas por ano na Arábia Saudita. Mas, depois de os organizadores de eventos globais, incluindo Olimpíadas de Tóquio, serem obrigados a adiar ou cancelar os eventos devido a pandemia de coronavírus, como autoridades sauditas estão sob a pressão crescente para tomar uma atitude.

A Arábia Saudita conseguiu organizar o Hajj durante surtos virais anteriores, como o ebola e Mers, mas uma pandemia de coronária representa um desafio muito maior, devido à sua escala global.

Depois da notificação do primeiro caso de coronavírus no país, em 2 de março, o governo implementa rapidamente medidas que ajudaram a controlar o vírus. Essas medidas incluem restrições de viagens e um toque de recolher que vigoram em todos os meses por dois meses.

Mas, desde que o “bloqueio” veio a ser suspenso, no final de maio, o número de casos e mortes diárias subiu. Mais de 3 mil novos casos por dia foram notificados nos últimos seis dias, e como mortes atingidas a 857 na quinta-feira, 11.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *